Pesquise aqui

 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Fotinho, motinho e outras coisas mais, por Pasquale.

PASQUALE CIPRO NETO 

Fotinho ou fotinha?

Gênero é uso, essencialmente uso (e uso culto, em se tratando do que registram os dicionários)

HÁ MUITO TEMPO devo aos leitores um texto sobre o diminutivo de palavras como "foto" ou "moto". "Afinal, é "fotinho" ou "fotinha", professor?", perguntam os leitores desde tempos imemoriais.
O leitor habitual deste espaço sabe que não vou dar a resposta de bate-pronto. Vou tentar fazer o leitor perceber o que está por trás da questão e depois chegar a alguma conclusão.
De início, talvez seja conveniente lembrar que "moto" resulta da redução de "motocicleta", que, por sua vez, vem de "moto-" (do latim "motus", que significa "movimento", "motor") + "-cicleta" ("terminação depreendida de bicicleta", de acordo com o "Houaiss" e com o "Aurélio"). Por sua vez, "bicicleta" vem do francês "bicyclette", que resulta de "bi" + "cycle" (de origem grega).
"Se "moto" é palavra feminina ("a moto", "uma moto'), o diminutivo não teria de ser "motinha", com a terminação em "a", típica do feminino?", perguntam/afirmam alguns leitores. Sugiro prudência.

Antes de entrarmos na questão do feminino, convém lembrar que os elementos gregos "foto-" ("luz") e "-grafia" ("escrita", "descrição", "documento") formam a palavra "fotografia", que acaba reduzida às duas sílabas iniciais, fato mais do que comum na nossa e em sabe Deus quantas línguas do planeta.
Pois bem. E o bendito feminino? Devagar, caro leitor. Vejamos o argumento relativo à terminação "a" ("Teria de ser "motinha" porque "moto" é palavra feminina"). Então deveríamos ter "programinho" ("um programinho") e "probleminho" ("um probleminho"), já que as duas palavras são masculinas. Será? É claro que não. O fato de a maioria das palavras terminadas em "a" ser feminina não equivale a dizer que todas sejam, fato que se vê também com as palavras terminadas em "o" (a maioria é masculina, mas nem todas são masculinas). São masculinas "programa", "tema", "problema" etc.; são femininas "libido", "virago", "tribo" etc.
É claro que o fator "maioria" interfere, contamina. É justamente por isso que muita gente diz "o libido", por exemplo, como se a palavra fosse masculina (por causa da terminação "o"). Não é. "E por que será que muitos dizem "a dó", "uma dó'?", devem estar pensando algumas pessoas. Talvez por influência da palavra feminina "pena", do mesmo campo semântico de "dó", que, por sinal, os dicionários dão como substantivo masculino.
Pois bem, caro leitor. A esta altura talvez já tenha ficado claro que a questão do gênero (masculino/feminino) se prende ao uso. Gênero é uso, essencialmente uso (e uso culto, em se tratando das classificações dos dicionários, recolhidas das ocorrências das palavras no universo culto da língua). "Mar", por exemplo, é palavra masculina em português e em italiano, mas é feminina em francês; "ponte", feminina em português, é masculina em espanhol e em italiano.
E a nossa gloriosa "motinha"? Ou será "motinho"? "Fotinho" ou "fotinha"? Bem, se valer a analogia, poderemos dizer que, se de "tribo" (substantivo feminino) se faz "tribinho", de "moto" se faz "motinho" e de "foto" se faz "fotinho", assim como de "programa" se faz "programinha" e de "problema" se faz "probleminha", ou seja, mantém-se no diminutivo a terminação inicial. Como se diz na Itália, "se non è vero, è ben trovato" (se não é verdadeiro, é bem achado). É isso.


Texto de autoria de Pasquale. Fonte: uol. 


*Prof.ª Mestra em Literatura Brasileira pela UNIMONTES Juliana Barreto juportugale@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário